Home
Home Atualizações O Instituto Equipe Ensino Reservas Pesquisa Tecnologia Ação Social Publicações Entretenimento Produtos Serviços Notícias Imprensa Galeria Aconselhamento Contato Blog Forum

Login:
Senha:


Esqueceu sua senha?

Na Web No site



Publicações

In English

Curso de Neurociências. Abertas as inscrições

O Toque do Amor

Por: Silvia Helena Cardoso

Durante nossas vidas, nós aprendemos que o toque carinhoso nos faz bem. As crianças instintivamente correm para suas mães quando estão com saudades ou quando estão felizes por alguma coisa. Elas também correm para abraçar a mãe quando quer que necessitem de apoio e proteção como dor, ferimentos ou medos. Os adultos também se abraçam para amenizar medos, dor e insegurança.

Nós sabemos tão pouco sobre o comportamento de abraçar. Por que nós fazemos isso? O que o abraço pode nos ensinar sobre nossas emoções positivas e comportamento social? O abraço tem algum beneficio na saúde? Podemos causar mais bem estar nos outros e em nós mesmos se abraçarmos mais?

A ciência está agora olhando para este comportamento instintivo para afirmar coisas que nós sempre soubemos, mas nunca soubemos explicar. Onde está então a ciência deste comportamento?


Um abraço não é afetado pela idade, raça e nações. Ele pode dizer: "Eu te amo".

O abraço é um forte sentimento de afeto. É uma forma de intimidade física. Ele pode significar muito, e muitas coisas ao mesmo tempo. É uma forma de repartir as coisas boas e ruins da vida. Ele pode criar conexões que não podem ser expressas em palavras.

Os humanos não têm monopólio sobre o abraço

O abraço não é único aos seres humanos. Os animais se abraçam ente eles pelas mesmas razões que as pessoas o fazem, isto é, em sinal de afeto, proteção e conforto. O tópico mais abaixo ("A importância da atenção carinhosa") irá mostrar uma pesquisa fascinante realizada nos anos 50, que demonstra que o toque em crianças é até mais importante que o alimento!


Abraço em animais: troca de carinho por afeto, suporte e conforto.

Humanos e não humanos: ligação saudável

Está se sentindo triste ou sozinho? Abrace um cão ou qualquer outro animal de estimação (Pet). Os donos de Pets afirmam frequentemente que seus animais o fazem sentir bem.

Estudos mostram que os donos de Pets vivem mais e se sentem menos sós dos que os que não têm (1); crianças que têm Pet em casa têm maior auto-estima; pacientes cardíacos com estes animais têm menos taxas de mortalidade. Pesquisas também sugerem que estar próximo de um Pet alivia o estresse e diminui a pressão sanguínea e freqüência cardíaca (2). Os animais também oferecem suporte social para pessoas inválidas ou solitárias, melhorando a saúde mental.


Afeto encantador entre pessoas e animais expressas pelo abraço.

As interações com esses animais também têm mostrado um aumento na saúde fisiológica, interação social e oportunidades de aprendizagem (1).

Demonstração inacreditável de ligação entre animais e humanos. Júpiter, um leão africano, foi salvo de exibições que fazia em circo a agora agradece sua resgatadora com abraços. Afeto ou aprendizagem por treino?

Origens do abraço

O abraço sinaliza ligação. Uma das primeiras ligações entre as espécies de mamíferos é a ligação mãe-criança.

Quais são as bases neuroquímicas da ligação humana?
Estudos com imagens de ressonância magnética têm começado a compreender esta questão. Em animais, a oxitocina, apelidada de "hormônio da ligação e do amor", e criticamente importante para o desenvolvimento do parentesco, é eliciada durante o intercurso sexual, e está envolvida em manter estreitas relações pessoais (3). Está envolvida também no nascimento do bebê, e estimulação do leite materno, bem como no relaxamento e sentimentos de calma. Novas pesquisas encontraram aplicações potencialmente benéficas deste hormônio na redução de estados de ansiedade, estresse, adição e problemas no nascimento da criança (4).


Ações da oxitocina no nascimento da criança

Novas pesquisas apontam que a oxitocina prediz o nível de ligação entre mãe e criança. Ruth Feldman, professora de Psicologia na universidade de Bar-Ilan, em Israel, conduziu o primeiro estudo demonstrando as relações entre oxitocina e ligação em mães humanas (3). No estudo, mães que tiveram níveis mais altos de oxitocina, tiveram maior probabilidade de mostrar comportamento de ligação com seus bebês. Pesquisas concluíram que a elevação de oxitocina durante a gravidez, possivelmente prepara a mulher para se ligar com seu bebê.

"A importância da atenção carinhosa"

Harry Frederick Harlow (1905–1981) foi um psicólogo americano muito conhecido por seus experimentos de privação social e isolamento materno em macacos rhesus, os quais demonstraram a importância do carinho e companhia nos primeiros estágios do desenvolvimento do primata.

Alguns dos experimentos envolvia manter macacos rhesus em câmeras de isolamento que prevenia todo e qualquer contato com outros macacos e seres humanos. Os macacos foram deixados sozinhos por um período superior a 24 meses. Quando saíram de lá, estavam severamente perturbados (7, 8).


A. Macaco rhesus mantido em isolamento total. Eles preferem a "mãe" de tecido que oferecem o conforto de contato (modelo de arame coberto com uma superfície de tecido macio) do que a mãe que fornece nutrição (arames sem qualquer cobertura porém com um objeto [mamadeira] parecendo um mamilo e com suprimento de leite). Estes estudos estabeleceram que foi o tato e não o modelo que provia alimento, que levou ao comportamento de ligação.
B. Bebês macacos privados de tato maternal frequentemente exibem comportamento anormal, comportamentos de auto-estimulação, tais como chupar o dedo.

Dados mostram que retornar ao contato de tato em bebês privados disto, reverte enormemente, em alguns casos, os seus problemas comportamentais. Os benefícios de tal "tato terapêutico" parece se correlacionar diretamente com sua natureza e duração (8, 9).

Estudos de Harlow mostraram que o tato foi mais importante em bebês macacos do que qualquer outra coisa que eles receberam de suas mães, inclusive alimento.

Como o abraço ajuda a saúde

Tem sido sugerido que o abraço é bom para a saúde. Pesquisas têm demonstrado que abraçar aumenta o níveis de oxitocina (11). Mulheres e homens mostraram níveis mais altos de oxitocina após abraçar. Pessoas em relações amorosas apresentaram níveis maiores de hormônios do que outras (11). Outros estudos também mostraram que o abraço de um ente querido pode ter efeitos benéficos na saúde do coração (10, 11). Nestes estudos, todas as mulheres tiveram níveis reduzidos de cortisol seguido pelo abraço, bem como reportaram efeitos cardioprotetores (10). Contato físico desta natureza é associado com atenuação significativa da pressão sangüínea e freqüência cardíaca em adultos.

Como abraçar um autista

Um dos sinais mais aparentes em crianças autistas é sua inabilidade em apreciar o abraço. Em um certa entrevista, perguntaram a uma pessoa autista como ela se sentia quando alguém tentava abraçá-la. Sua explicação foi algo como: "Eu me sinto como se uma grande onda do mar estivesse vindo a mim e eu estivesse sendo arrastada e perdida por ela".

Por outro lado, é relatado por alguns dos próprios autistas, que eles necessitam de forte pressão, como a do abraço, para lidar com ansiedade e outras condições relacionadas ao estresse (17). Entretanto, como declara Temple Grandin, uma professora e escritora com autismo, "as pessoas não conseguem obter a intensidade certa do abraço, tanto porque elas não apertam muito, ou porque apertam muito pouco" (17).

Baseado nisso, ela mesma criou o seu próprio dispositivo para abraçar, o qual deu o nome de "Máquina de abraçar". Este aparelho é feito de duas peças laterais de madeira formando um "V". O usuário então se deita entre essas duas peças laterais e usa uma alavanca com controle remoto para empurrar ambos os lados juntos na intensidade que ele desejar. Esta ação fornece uma pressão profunda no corpo.


"Máquina de abraçar" para acalmar pessoas com autismo que não tem habilidades para o abraço. O usuário pode fazer os dois lados laterais se moverem delicadamente nas laterais, por controle remoto, criando um movimento seguro do "abraço".

Até o presente momento, vários programas no país têm utilizado a máquina de abraçar de Temple, e têm observado mudanças similares em crianças e adultos com autismo, particularmente um efeito calmante geral.

Uma equipe de estudantes de engenharia biomédica da Universidade de Carnegie Mellon ganhou recentemente um prêmio de primeiro lugar na Competição Nacional do Estudante pelo redesign da Máquina de abraçar para acalmar pessoas com autismo(14). O dispositivo, com formato de "sandwich", foi projetado de forma bem simples: dois colchões de ar combinados com controle remoto para inflar e um compensado de madeira para apoiá-lo. O usuário pode mover as direções laterais lentamente

Abraço sem braço

Os humanos foram projetados para se ligar uns com os outros. O abraço é uma forma de expressão dessa ligação. Mas e quando não há braços para um abraço? O vídeo abaixo mostra que as pessoas não precisam ter braços para um abraço carinhoso. Nossas raízes biológicas são quem comanda o desejo de abraçar e ser abraçado e os benefícios físicos e sociais que ele causa.

Abraço sem braço. Nick Vujicic, nascido sem braços e pernas oferecendo seu carinhoso abraço. Raízes biológicas - enão membros - que comandam o desejo de abraçar e ser abraçado

Abraços gratuitos

AEm determinados momentos, o abraço é tudo que nós necessitamos. O dom do tato é um bem poderoso que você pode oferecer ao outro e dar a você mesmo. O vídeo abaixo mostra um exemplo da Campanha Free Hugs (Abraços gratuitos), um fenômeno criado por Juan Mann, um homem que estabeleceu que sua missão na Terra era abraçar um estranho para iluminar suas vidas. Free hugs envolve indivíduos que oferecem abraços a estranhos em locais públicos. Começou em junho de 2004. A campanha é um exemplo de um ato randômico de certas virtudes pessoais como gentileza e doação de si próprio, executado por uma pessoa com o objetivo único de fazer os outros se sentirem melhores (15).

A medida que este símbolo de esperança humana se espalhava, a polícia ordenou que o Free Hugs fosse banido. Mas o que se testemunhou foi um verdadeiro espírito de humanidade na pessoas que continuaram com o ato, mesmo com as proibições.


Campanha Free Hugs, um fenômeno criado por Juan Mann, um homem que estabeleceu que sua missão na Terra era abraçar um estranho para iluminar sua vida. "Se cada um fosse abraçar um estranho, imagine que efeito isto teria sobre a humanidade no mundo".

Conclusões: Construa um mundo melhor com abraços.

Em um mundo complicado e agressivo, existe um presente simples e gratuito: o abraço.

Abraçar é um fenômeno universal e uma das coisas mais agradáveis que fazemos.

Tudo o que o ser humano faz, tem uma função e o abraço não é uma exceção. Nós necessitamos construir estruturas sociais tais como amor pelo filho ou cônjuge, amizade, auto-estima, a fim de viver bem em nossa sociedade, e a evolução selecionou o abraço como um dispositivo para promover ligação.

Abraçar é agradável não somente para o nosso bem-estar, mas é também necessário para a boa saúde. O contato físico desta natureza é associado com efeitos cardioprotetores. O abraço pode ajudar a restabelecer a resposta fisiológica aos inevitáveis estressores. Se o abraço causa tantos benefícios, podemos pensar em meios de utilizá-los para o benefício das pessoas e de nós mesmos.

O abraço fertiliza não somente as relações pessoais, mas também o espírito humano. Estes são tipos de comportamento que nos deixa alegres, nos faz sentir bem, aumentar nossa auto-estima, ter a sensação de conforto e proteção. Se procurarmos prestar mais atenção em nossas emoções positivos e comportamentos, podemos criar situações que nos permita fazer isso mais vezes e desta forma estaremos contribuindo para construir um mundo melhor. E o abraço é grande parte disso. ´

References


Sua participação:

Clique aqui para comentar esta página

Artigo publicado em 10/2/2008


Copyright© Silvia Helena Cardoso